0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Por SEC RJ

Durante as próximas sextas-feiras de maio, a Secretaria de Estado de Cultura (SEC), através da Superintendência do Audiovisual, apresenta na Biblioteca Parque Estadual a mostra Cinema Negro em Debate. Com objetivo de fomentar a reflexão sobre a importância e o avanço da luta dos movimentos negros no país, o ciclo, que acontece até 27/05, começará no simbólico dia 13 de maio, data da Abolição da Escravatura no Brasil, em 1888 – marco relevante para o avanço da luta racial, mas também indicador do tardio reconhecimento dos direitos da população negra.

Na programação gratuita, a mostra traz filmes como “Raça”, de Joel Zito Araújo, e uma exibição especial de “Menino 23”, documentário inédito de Belisário Franca que segue as investigações do pesquisador Sidney Aguilar sobre um projeto de limpeza social que, nos anos 30, flertou com o nazismo e vitimou dezenas de meninos negros no interior de São Paulo. O nome do longa-metragem é uma referência aos números de identificação que os 50 órfãos receberam na fazenda na qual foram explorados. O filme conta com depoimentos de Aloysio Silva, o menino 23, um dos sobreviventes.

“Entender o passado é fundamental porque, na verdade, ele ainda se reflete no presente. Vemos vários traços por aí. Compreendendo aquelas mecânicas, as maneiras como a elite da sociedade se articulava lá atrás, reparamos traços que sobrevivem até hoje. E é uma maneira de se contrapor a isso, de articular novas propostas”, diz Belisário Franca sobre as cicatrizes do preconceito deixadas na sociedade.

Além dos longas, serão exibidos os curtas “Elekô”, do Coletivo Mulheres de Pedra; “Kbela”, de Yasmin Thayná; “Império do Gramacho”, de Heraldo HB, entre outros. Ao fim de cada sessão serão realizados debates com os diretores dos filmes, além de pensadores e militantes do movimento negro, como assessora da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e especialista em políticas públicas, Jurema Batista, e o jornalista e representante do Movimento SOS Racismo Brasil, Marcos Romão.

Para o Coordenador de Difusão e Acesso da Secretaria de Estado de Cultura, Felipe Lopes, a mostra busca dar visibilidade e resgatar a identidade negra através do audiovisual.

“Infelizmente observamos uma diferença muito grande da representatividade do negro no audiovisual nacional. Ainda há um cenário menos heterogêneo se olharmos roteiristas e diretores negros, que representam menos de 3% da cadeia, com um índice ainda menor para mulheres negras. Debater este tema é apenas o início de um processo que busca um cinema mais plural e representativo em um país tão marcado por um racismo velado, onde o branco ainda ocupa em grande maioria os espaços midiáticos”.

PROGRAMAÇÃO:

Mostra “Cinema negro em debate”

13/05

“Menino 23” (exibição especial), de Belisário Franca

Roda de conversa com o historiador e pesquisador Sidney Aguilar, cuja a tese originou o documentário, a produtora de impacto do filme Rossana Giesteira e a assessora da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, especialista em políticas públicas e militante do movimento negro Jurema Batista.

20/05

Programa de Curtas

“Elekô”, do Coletivo Mulheres de Pedra;

“Kbela”, de Yasmin Thayná;

“Vovó Leontina”, de Pedro Paulo Rosa;

“Feli(Z)cidade”, de Clementino Junior;

“Império do Gramacho”, de Heraldo HB.

Roda de conversa com representantes dos filmes e com Janaína Oliveira (FICINE-Fórum Itinerante de Cinema Negro)

27/05

“Raça”, de Joel Zito Araújo

Roda de conversa com Marcos Romão (SOS Racismo Brasil) e com Flavio Aniceto (Gerência de Identidades Culturais da Superintendência de Cultura e Território da SEC-RJ).

Endereço: Biblioteca Parque Estadual – Av. Presidente Vargas 1261, Centro, Rio de Janeiro, RJ

Horários: Às sextas, de 16h às 19h: ENTRADA FRANCA (Distribuição de senhas 30 minutos antes).

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Na “guerra de quarta geração”, o inimigo somos nós

Próximo post

O retrato de Gogol

Sem comentários

Deixe uma resposta