0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Com o intuito de fortalecer e fomentar as discussões acerca da Diversidade de e Enfoque de Gênero, a Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições (FEBAB) lançou o Grupo de Trabalho intitulado “Bibliotecas pela Diversidade e Enfoque de Gênero (GT-BDEG).

O Grupo de Trabalho é fruto de duas iniciativas importantes realizadas nos anos de 2017 e 2019 no Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação (CBBD): o “Conversando Sobre Gênero, Diversidade e Sexualidade em Unidades de Informação” e a mesa redonda “Gênero e Diversidade no Desenvolvimento de Coleções em Bibliotecas Escolares”.

Através dessas atividades percebeu-se um crescente interesse por parte dos bibliotecários em conhecer mais sobre o assunto, assim a FEBAB buscou ações para proporcionar novos debates. O novo grupo de trabalho da FEBAB visa promover as seguintes discussões:

1. Como a biblioteca pode auxiliar pessoas LGBTQIA+, em principal as que estão em situação de vulnerabilidade social?

2. Como o bibliotecário pode atuar para conscientizar tanto a equipe, quanto a comunidade em que está inserida em relação aos LGBTQIA+ e o impacto negativo dos estereótipos de gênero?

3. Como o acervo pode ajudar na desmistificação dos estereótipos de gênero?

4. Quais as melhores ações a serem implementadas, visando cumprir as questões anteriores?

 

Partindo dessas discussões o GT objetiva:

1.    Criar um documento norteador de ações e orientações de atendimento baseadas nas leis vigentes nos níveis municipal, estadual e federal;

2.    Compilar todas as ações e experiências promovidas pelas bibliotecas em todo o Brasil;

3.    Criar bibliografia básica de literatura LGBTQIA+ e Vocabulário Controlado especializado;

4.    Realizar relatórios anuais para consulta pública para entender a relação da comunidade com a biblioteca, especialmente a biblioteca pública;

5.    Promover palestras, cursos e ações voluntárias em conjunto as associações estaduais filiadas à FEBAB, escolas de Biblioteconomia e ONGs.

Em entrevista à Revista Biblioo, Carlos Wellington Martins, bibliotecário e um dos integrantes do Grupo de Trabalho destacou que temos alguns avanços no que tange o interesse crescente na realização de pesquisas a respeito da temática. Apesar de ainda haver um silenciamento e uma posição periférica da discussão das demandas sociais LGBTQIA+ na biblioteconomia, vemos o avanço em alguns aspectos como o crescente interesse de discentes, docentes, técnicos em realizar pesquisas acerca da temática com a socialização destes estudos em eventos na área”, ressaltou.

O GT BGED criou  uma  lista de discussão para interagir com os profissionais interessados na temática, para participar  é preciso cadastrar-se pelo : Inscrição na Lista de Discussão do  Grupo. Maiores  informações podem ser obtidas pelo email: gtbdeg.febab@gmail.com

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Anúncios
Postagem anterior

De que livro seu coração está precisando hoje?

Próximo post

Prazo da lei das bibliotecas escolares chega ao final com poucos avanços