8
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

A experiência do Estado do Maranhão com a gestão, revitalização e entrega de bibliotecas públicas será tema da apresentação brasileira na edição 2021 do Congresso da Federação Internacional de Associações e Instituições de Bibliotecas (IFLA). O evento será realizado no próximo mês e poderá ser acompanhado pela internet. O Brasil vai participar desta edição e falará a respeito do cumprimento do Maranhão ao Manifesto, por meio de ações em prol das bibliotecas públicas.

“Vamos apresentar as bibliotecas públicas que o Maranhão está abrindo. Foram 63 bibliotecas públicas abertas. Esse trabalho em prol das bibliotecas públicas, como o estado que mais abre bibliotecas públicas no Brasil, é a experiência que a gente vai apresentar lá. Estamos cumprindo o que diz o manifesto da UNESCO, que é o maior documento para as bibliotecas públicas e todas as bibliotecas e governos devem seguir”, frisou em depoimento no site do Governo do Estado do Maranhão, Aline Nascimento, diretora da Biblioteca Pública Benedito Leite (BPBL), instituição que coordena o Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do Maranhão (SEBP-MA).

O Congresso Mundial de Biblioteca e Informação da IFLA será realizado de 17 a 19 de agosto em formato online e aberto para todos os continentes, fusos horários e setores da informação. A edição de 2021 será pontuada pelo lançamento da versão atualizada do Manifesto das Bibliotecas Públicas da IFLA/UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), documento que completou 26 anos no ano passado, como referência para o desenvolvimento das bibliotecas públicas em todo o mundo. 

A experiência do Maranhão será apresentada pela vice-presidente da Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições (Febab) e integrante do Comitê de Bibliotecas Públicas da IFLA, Adriana Ferrari, no dia 17 de agosto.

A Federação Internacional de Associações de Bibliotecas e Instituições (IFLA) é o principal organismo internacional que representa os interesses da biblioteca e serviços de informação e seus usuários. Já o Manifesto das Bibliotecas Públicas foi lançado em 1994 e proclama a confiança que a UNESCO deposita na biblioteca pública, enquanto força viva para a educação, a cultura e a informação, e como agente essencial para a promoção da paz e do bem-estar espiritual nas mentes dos homens e das mulheres.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Anúncios
Postagem anterior

Editoras se manifestam contra privatização dos Correios

Próximo post

A Cinemateca Brasileira e a "criminalidade total"