0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Por Secult-Rj

A cerimônia de entrega do Prêmio Rio de Literatura será realizada na próxima segunda-feira, dia 11 de julho, às 17h, na sede da Fundação Cesgranrio (Rua Santa Alexandrina 1011, no Rio Comprido), em coquetel seguido de um bate-papo com os autores vencedores sobre o processo criativo que os levou a escrever suas obras. O evento contará ainda com as presenças do presidente da Fundação Cesgranrio, Carlos Alberto Serpa, e da secretária de estado de Cultura, Eva Doris Rosental, além de membros do Conselho de Cultural e do Conselho Diretor da Cesgranrio.

Beatriz Bracher conquistou o prêmio da categoria Ficção, na modalidade Melhor Obra Publicada, com o livro “Anatomia do paraíso” (Editora 34), enquanto Antonio Arnoni Prado ficou com o primeiro lugar na categoria Ensaio, com o livro “Dois letrados e o Brasil Nação” (Editora 34). Cada um receberá R$ 100 mil pela conquista. Izabela Guerra Leal foi a grande vencedora da modalidade Melhor Novo Autor Fluminense, com o livro “A intrusa”, e receberá R$ 10 mil. Clara Ferrer ganhou Menção Honrosa Novo Autor Fluminense pelo livro “Amores monstruosos”.

Parceria entre a Fundação Cesgranrio e a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, o prêmio foi lançado em outubro do ano passado, com o objetivo de reconhecer a qualidade da produção literária nacional.  Nesta primeira edição, o prêmio recebeu mais de 600 inscrições. A categoria Obras Publicadas/Ficção teve 346 obras inscritas; na categoria Novo Autor Fluminense, foram 197 inscrições; e, por fim, Obras Publicadas/Ensaio contabilizou 64 títulos inscritos. No total, 35 editoras de todo o Brasil inscreveram autores, entre elas Companhia das Letras, Record, Rocco, Intrínseca, Planeta, Zahar, Editora 34 e Leya.

ABAIXO, MAIS INFORMAÇÕES SOBRE OS VENCEDORES

OBRAS PUBLICADAS / FICÇÃO:

“Anatomia do Paraíso”, de Beatriz Bracher / 328 p. – 12 x 21 cm / ISBN 978-85-7326-607-8 / 2015 – 1ª edição

Sobre a obra

Novo romance de Beatriz Bracher, “Anatomia do Paraíso” traz a história de um jovem estudante de classe média que escreve uma dissertação de mestrado sobre o “Paraíso perdido” (1667), poema épico de John Milton que narra a queda do homem e a expulsão de Adão e Eva do Paraíso. A história se desenvolve simultaneamente em vários planos: o dia a dia do estudante, Félix; suas reflexões sobre a obra de Milton; a dura vida de Vanda, vizinha de Félix, que se divide entre trabalho, estudo e os cuidados com a irmã mais nova; e o delicado processo de amadurecimento desta última, a adolescente Maria Joana. Narrativa densa, por vezes vertiginosa, e de alta carga dramática, na medida em que as trajetórias dos personagens vão se cruzando e os temas do “Paraíso perdido” – sexo, violência, pecado, culpa, traição, morte e redenção – ganham vida nas experiências de cada um.

Beatriz Bracher

Beatriz Bracher / Foto: Francisco Perona

Sobre a autora

Beatriz Bracher nasceu em São Paulo, em 1961. Formada em Letras, foi uma das editoras da revista de literatura e filosofia 34 Letras, entre 1988 e 1991, e uma das fundadoras da Editora 34, onde trabalhou de 1992 a 2000. Em 2002, publicou, pela editora 7 Letras, “Azul e dura”, seu primeiro romance (reeditado pela Editora 34 em 2010), seguido de “Não falei” (2004), “Antônio” (2007), os livros de contos “Meu amor” (2009) e “Garimpo” (2013), e o romance “Anatomia do Paraíso” (2015), todos pela Editora 34. Escreveu com Sérgio Bianchi o argumento do filme “Cronicamente inviável” (2000) e o roteiro do longa-metragem “Os inquilinos” (2009), prêmio de melhor roteiro no Festival do Rio 2009. Com Karim Aïnouz, escreveu o roteiro de seu filme “O abismo prateado” (2011). O romance “Antônio” obteve em 2008 o Prêmio Jabuti (3º lugar), o Prêmio Portugal Telecom (2º lugar) e foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura. “Meu amor” recebeu o Prêmio Clarice Lispector, da Fundação Biblioteca Nacional, como melhor livro de contos de 2009. “Garimpo” venceu o Prêmio APCA na categoria Contos/Crônicas em 2013 e recebeu menção honrosa no Prêmio Casa de las Américas, de Cuba, em 2015. “Antônio” foi publicado no Uruguai (Montevidéu, Yaugurú) e na Alemanha (Berlim, Assoziation A) em 2013, e a mesma editora alemã publicou “Não falei” em 2015 (Die Verdächtigung).

OBRAS PUBLICADAS / ENSAIO:

“Dois letrados e o Brasil nação – A obra crítica de Oliveira Lima e Sérgio Buarque de Holanda”, de Antonio Arnoni Prado / 376 p. – 14 x 21 cm / ISBN 978-85-7326-589-7 / 2015 – 1ª edição

Sobre a obra

Ao contrapor as trajetórias dos críticos e historiadores Manuel de Oliveira Lima (1867-1928) e Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982), “Dois letrados e o Brasil nação” faz muito mais do que iluminar etapas cruciais da formação de nossa crítica literária. Com raciocínio analítico rigoroso, Antonio Arnoni Prado traz à tona nexos extremamente atuantes no substrato cultural brasileiro, em que se defrontam arranjos retóricos conservadores, de um lado, e movimentos críticos libertários, de outro.

Fruto de longa imersão na vida e obra dos autores de D. João VI no Brasil (1908) e Raízes do Brasil (1936), o livro acompanha passo a passo o percurso de cada escritor. No caso de Oliveira Lima, é admirável a reconstituição de sua mentalidade belle époque, seu eurocentrismo acentuado e a fixação pelo passado lusitano, que terá grande influência sobre Gilberto Freyre. Já em Sérgio Buarque, ressaltam a percepção do contexto latino-americano, a valorização de outras ancestralidades, os laços de afinidade e distância com os modernismos e, acima de tudo, uma atenção aguda para os aspectos de crise e ruptura, que lhe permite problematizar o presente e ler criticamente o passado.

No quadro final, Dois letrados e o Brasil nação constitui uma obra ímpar de erudição, pesquisa e investigação literária, em que afloram concepções diametralmente opostas de história, cultura e nação, bem como dos papéis que cabem à atividade intelectual.

Sobre o autor

Antonio Arnoni Prado nasceu em São Paulo, em 1943. É mestre (1975) e doutor (1980) pela FFLCH-USP, com pós-doutorado na Fondazione Feltrinelli, de Milão (1986). Desde 1979 leciona no Departamento de Teoria Literária da Unicamp, onde é professor titular. Entre outros trabalhos seus incluem-se a edição da crítica literária dispersa de Sérgio Buarque de Holanda nos dois volumes de O espírito e a letra (Companhia das Letras, 1996) e a publicação de uma coletânea de ensaios críticos reunidos em Trincheira, palco e letras (Cosac Naify, 2004). Publicado pela Editora 34 em 2010, em sua forma integral, o livro Itinerário de uma falsa vanguarda: os dissidentes, a Semana de 22 e o Integralismo recebeu nesse mesmo ano o Prêmio Mário de Andrade de ensaio literário da Fundação Biblioteca Nacional. Em 2012 lançou, pela mesma editora, Lima Barreto: uma autobiografia literária*.

NOVO AUTOR FLUMINENSE:

“A intrusa”, de Izabela Guimarães Guerra Leal.

IsabelaGuimaraes foto

Isabela Guimarães / Foto: Divulgação

Sobre a autora

Izabela Guimarães Guerra Leal nasceu no Rio de Janeiro, em 1969. É doutora em Literatura Portuguesa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mestre em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e graduada em Psicologia pela UFRJ. Fez um pós-doutorado no Departamento de Letras Neolatinas da UFRJ, com bolsa da FAPERJ. Atualmente, é professora de Literatura Portuguesa na Universidade Federal do Pará (UFPA) e professora do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPA.

MENÇÃO HONROSA  NOVO AUTOR FLUMINENSE: 

“Amores monstruosos”, de Clara Ferrer.

Sobre a autora

Clara Ferrer nasceu no Rio de Janeiro, em 1988. É formada em Geologia, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e atualmente cursa Cinema na Universidade Federal Fluminense (UFF).

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Especialista em discos de 78 rpm descobre gravações brasileiras inéditas

Próximo post

Editora do Brasil lança Série sobre Temas Polêmicos

Sem comentários

Deixe uma resposta