0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+
Foto: Diogo Moreira/ A2 FOTOGRAFIA
Foto: Diogo Moreira/ A2 FOTOGRAFIA

Do portal Educação / Terra.

Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que subiu de 76,3% para 97,1% a proporção de cidades com biblioteca pública, de 1999 a 2014. Por outro lado, no mesmo período, caiu de 35,5% para 27,4% o número de cidades com livrarias. Os dados constam no Suplemento de Cultura do Perfil dos Estados e Municípios Brasileiros 2014 (Estadic/Munic 2014), divulgado nesta segunda-feira (14).

De acordo com o levantamento, em 2014, 15% dos municípios informaram ter pontos de leitura e 25%, bancas de jornal. Esses dados foram coletados apenas no ano passado, com isso não há comparativo. Em relação a cinemas e shoppings, estão presentes em 10,4% e 6,7% dos municípios, respectivamente, em 2014. Em 1999, os percentuais eram 7,2% e 6,2%.

A pesquisa indica ainda que, no ano passado, 24 dos 27 estados e 6% dos 5.570 municípios apoiaram a produção de 1.849 filmes, tendo como destaques os estados do Rio Grande do Sul, com 60 filmes, Pernambuco, 54 filmes, e São Paulo, com 42 filmes.

TV aberta e internet

Conforme a pesquisa, o sinal aberto de TV continua sendo “o maior meio de acesso aos conteúdos culturais”, ao estar presente em 99% dos municípios, em 2014. No mesmo ano, apenas 12,1% dos municípios tinham produção local de programas de TV, em 1999, era 9,1%. O IBGE constatou alta no acesso à internet por meio de provedores, presentes em 65,5% dos municípios, e lan houses, em 82,4% das cidades. No caso dos provedores, o percentual era 16,4% em 1999. Em relação às lan houses, o dado era 80,7% em 2012, ano em que o dado passou a ser coletado.

No sentido oposto, houve uma retração na presença de videolocadoras no País, passando de 82% municípios, em 2006, para 53,7% em 2014; e também das lojas de discos, CDs, fitas e DVDs, de 59,8% para 40,4% dos municípios, no mesmo período. “Os dados melhoraram como fruto de uma política pública adotada pelo governo em 2003, mas ainda são incipientes e atestam a gravidade da situação do acesso à cultura no Brasil. Menos de 10% dos brasileiros entraram alguma vez em um museu, pouco mais 13% vão ao cinema com alguma regularidade e a média per capita de leitura do brasileiro ainda é de apenas 1,7 livro”, disse o ministro da Cultura, Juca Ferreira, que acompanhou a divulgação da pesquisa.

O ministro destacou que quando comparado com outros países da América do Sul – como a Argentina, o Uruguai e o Paraguai, o nível cultural brasileiro é menor. “Mesmo quando comparado com outros países sul-americanos, sempre fomos muito desleixados do ponto de vista cultural com a população. E é por isso que, desde 2003, estamos desenvolvendo políticas voltadas para colocar a cultura como um direito básico da população, como é a comida, a habitação e a saúde. Agora, há que se ressaltar que a gente trabalha com poucos recursos. E qualquer política pública implica necessariamente na liberação de mais recurso para o setor”, disse.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Seminário Latino-Americano de Informações e Indicadores Culturais

Próximo post

Leitura de Bolso

Sem comentários

Deixe uma resposta