23
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

A Bárbara Lison é a presidente eleita da Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias (IFLA, na sigla em inglês). Ela já atuou como membro da direção do Gabinete Europeu da European Bureau of Library, Information and Documentation Associations (EBLIDA), membro do Conselho da Administração da Online Computer Library Center (OCLC), presidente da Bibliothek & Information Deutschland (BID) e.V. (BID), em Berlin, na Alemanha, onde esta entrevista foi gravada. Ela também é diretora da Biblioteca Municipal de Bremen desde 1992. Nessa entrevista, gravada no último mês de janeiro, eu fiz algumas perguntas para ela a respeito do trabalho como bibliotecária, a dedicação com associações, advocacy e a importância do trabalho coletivo para a biblioteconomia.

Você poderia dar uma breve visão geral de como funciona a estrutura das bibliotecas na Alemanha e quais são as principais associações de bibliotecas existentes no país?

Nós temos várias bibliotecas estatais, a nível nacional, porque talvez você se lembre, a Alemanha estava sempre dividida em partes, nós tínhamos pequenos territórios, tínhamos reinos, e muitos destes reinos tiveram as suas próprias bibliotecas. Portanto, as bibliotecas estatais, há muitas bibliotecas que são chamadas “State Libraries”. Depois temos também as bibliotecas regionais, e claro que temos as bibliotecas acadêmicas, as bibliotecas de pesquisa, as bibliotecas universitárias. Portanto, elas pertencem aos dezesseis estados.

Assim, cada um dos dezesseis estados cuida das bibliotecas universitárias, das bibliotecas estaduais e das bibliotecas regionais. E depois temos as bibliotecas públicas, que pertencem à comunidade local, portanto os municípios. E não há uma estratégia nacional para reuni-las, para unificar o resultado e a produção dessas bibliotecas. E por isso nós temos que fazer a nossa parte, e temos que tentar convencer os políticos de que eles ganhariam muito mais se houvesse uma estratégia nacional, mesmo assim eles ainda não estão realmente convencidos de que eles deveriam fazer isso. Porque eles têm medo que o nível nacional esteja interferindo no nível do estado, e isso não é permitido pela constituição, quando se trata de cultura/país.

Como podemos manter uma estreita ligação entre as demandas dos usuários, usuários e suas comunidades locais, e ao mesmo tempo lidar com decisões em diferentes escalas de tomada de decisão, como a presidência da IFLA e outras associações?

Eu acho que o usuário[1] está em primeiro lugar. Portanto, o usuário é sempre a nossa perspectiva. É o objetivo da nossa perspectiva. Se não pensarmos no indivíduo, no nível mais baixo, isto é, no nível da biblioteca pública, então não podemos pensar no indivíduo também no nível mais alto, isto é, no nível da IFLA. Porque tem de ser uma cadeia, uma cadeia de influências, desde o interesse dos utilizadores, passando pelas bibliotecas, pelas associações, pelas associações nacionais, e depois pelas associações internacionais. Então, se você não vê essa cadeia em que sempre o benefício do usuário é o mais importante, quando se trata de regulamentos, quando se trata de normas, quando se trata de manifestos, que IFLA está emitindo e publicando, quando não pensamos no usuário, quando não pensamos na sociedade, então isso é inútil.

E assim eu acho que os objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU, os SDG’s (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), eles também estão relacionados ao povo, ao homem, à humanidade, ao indivíduo. E assim eu acho que a correlação entre as bibliotecas funciona. As associações trabalham em conjunto com o desenvolvimento sustentável, são todas orientadas para as pessoas, para o indivíduo, e para o benefício do indivíduo. Então isso é tão importante, nós temos que ver o contexto maior. E, na minha opinião, o centro do contexto maior é o indivíduo. E esse é o usuário.

Um de seus objetivos como presidenta eleita da IFLA é o aprimoramento mundial das bibliotecas. Em geral, quais são os desafios globais para as bibliotecas hoje? E, especialmente para a América Latina, quais desafios você poderia destacar?

Eu acho que o ambiente técnico, em todos os seus aspectos, é realmente um grande desafio. Porque não podemos ignorar o que está acontecendo no mundo técnico. Temos que implementar o resultado, os produtos do técnico em nosso trabalho, a fim de facilitar nosso trabalho, por um lado, para convencer nosso cliente de que somos modernos, que estamos ajudando com os mais modernos instrumentos e itens que temos, dispositivos que temos. Portanto, seguindo o ambiente técnico, e quando você segue o ambiente técnico, você precisa de dinheiro. Então, obtendo dinheiro, tentando obter fundos, para obter recursos. Isso é muito importante.

A combinação entre olhar o mundo exterior, o que está acontecendo, e que não é apenas a América Latina, que está em toda parte. Eu acho que a questão do dinheiro, que está em toda parte, pode ser ainda mais difícil na América Latina, mas eu penso através da minha experiência. Há tantos bibliotecários jovens, muito engajados, muito comprometidos na América Latina que eu já sei, e espero fazê-los saber ainda mais, que há uma boa base com pessoas que deveriam fazer isso. Eles não parecem apenas como “dentro do mundo”, eles se mostram “para o exterior”. Eu acho que isso é realmente uma vantagem na América Latina, esses jovens bibliotecários com essa visão de fora do mundo.

Um ponto muito crítico para uma associação é como ela é sustentável. Eu até acredito que sua experiência direta como tesoureira do Conselho da IFLA pode ter sido ainda mais intensa nesta área. Em sua visão, qual seria o segredo para uma gestão financeira sustentável e quais dicas você poderia dar às instituições e grupos profissionais que estão iniciando sua jornada?

Então, como eu disse, a comunicação é fundamental, mas também o dinheiro é fundamental. Porque quando uma associação de bibliotecas não tem dinheiro, ou apenas o dinheiro para existir, para sobreviver, isso significa que eles não podem dar impacto aos seus utilizadores, às suas partes envolvidas. Portanto, uma associação de bibliotecas deve ter recursos suficientes para mostrar um impacto. E isso é algo que nós diríamos na Alemanha: “O gato está a morder-lhe a cauda.” Porque você só recebe dinheiro dos seus membros, e ainda mais dinheiro se você aumentar as taxas de adesão, quanto mais você lhes mostrar que a sua associação causa impacto. Então você tem que tentar conseguir dinheiro suficiente.

Que na associação da biblioteca na Alemanha nós dissemos que precisamos de mais dinheiro porque queremos introduzir novos projetos, e os projetos não são para as associações, os projetos são para você.  Portanto, se você quer ter mais desenvolvimento no cenário da biblioteca, nós poderíamos dar às mãos, então precisamos de mais dinheiro para ter este campo de trabalho, ou aquele campo de trabalho do pessoal, a fim de desenvolver projetos que são, novamente, necessários e úteis para você. Então para mostrar o seu impacto primeiro, mesmo um pouco de impacto, então tente conseguir dinheiro suficiente, o dinheiro é a chave neste caso, e então você tem a oportunidade de desenvolver novos projetos, e mostrar o impacto da associação.

Por exemplo, o IFLA já fez diversos projetos. “Projeto Jovens Líderes”, “Informação e Acesso Aberto”, e todos estes projetos. E estes projetos, onde a base dada pela “Fundação Gates” com a enorme quantia de 30 milhões de dólares para os próximos 10 anos para continuar com os projetos. Se IFLA não tivesse feito os projetos antes, e não tivesse mostrado a associação como uma associação ativa, ágil e interessada no desenvolvimento, a “Fundação Gates” não nos teria dado esse dinheiro. Então é uma interdependência entre o trabalho das associações, seu impacto e as vontades das pessoas, membros ou fundações, ou outros para entender que dar dinheiro a essas associações, dá um impacto para toda a sociedade. Portanto, não é fácil, mas entenda que não é um passo, são vários passos, sua interdependência entre a associação e o ambiente.

Uma das características da sociedade do conhecimento é a absorção potencial da informação e a interação sem barreiras de espaço ou tempo. São características que também têm efeitos negativos, como desinformação massiva, desestabilização social, propagação de notícias falsas, manipulação e alteração de conteúdos sem controle e curadoria de autoridades. Neste cenário, como podem as bibliotecas agir para fortalecer a democracia e disseminar informação como um bem social, em apoio ao desenvolvimento das sociedades na era digital?

Penso que uma das principais questões do trabalho das bibliotecas é melhorar a democratização, não garanti-la.  Nós não podemos garantir isso. Mas devemos melhorar as condições para a democracia, e as condições para que o povo compreenda o valor da democracia.  Então, um mundo, quando li sua pergunta, um mundo veio à minha mente, que se chama: iluminação, esclarecimento. Então eu penso, para iluminar as pessoas, para dar-lhes a oportunidade de entender as informações que elas recebem não na biblioteca, mas as informações, ou o que quer que seja, as notícias, para entender o que elas significam. E fazer perguntas. Portanto, o esclarecimento para mim está sempre relacionada com fazer perguntas, não apenas pegar as coisas que você recebe, mas perguntar por que é assim, de onde vem, qual é a fonte, e tudo isso.

E isto já começa nas bibliotecas, penso eu, assim como nas escolas infantis. Mas a infância… Eu acho que não é só o que você diz: bem, as crianças não precisam saber disto.  As crianças precisam saber para discriminar, isto é isto, isto é aquilo. Não tomar tudo como chega a elas, mas ter sempre uma atitude positiva, mais crítica em relação àquilo com que estão rodeadas. Talvez informação, talvez outras coisas. E nós vemos, quando vemos as Friday for Future, que isto começa. As crianças, os jovens já fazem perguntas porque eles entendem.  E eu acho que a contribuição das bibliotecas para isso pode ser imensa. E isso não é uma garantia. Mas as bibliotecas são uma instituição onde isso pode ser aprendido e treinado através dos bibliotecários e dos materiais que são mostrados e dados às pessoas que vêm às bibliotecas. Portanto, é um instrumento de apoio, eu diria, para um desenvolvimento positivo, e para mim a principal responsável é o esclarecimento.

Assista abaixo a íntegra da entrevista:

[1] A expressão utilizada originalmente pela entrevistada é “utilizador”, que na Alemanha é o termo mais usual para designar as pessoas que utilizam os recursos das bibliotecas. No entanto, optou-se na tradução pela expressão “usuário”, uma vez ser esta mais comum no Brasil, mesmo reconhecendo que ela guarda uma série de discussões teóricas. No vídeo, a expressão “utilizador” foi mantida.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Senado aprova liberação de R$ 3 bi para ajudar setor cultural

Próximo post

O mito da democracia racial segue a todo vapor