0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

A casa da minha infância foi muito musical. Meu pai era funcionário da Odeon Discos, fábrica em São Bernardo. Acredito que a labuta do Geraldo contaminou a família com a alquimia do vinil. Disco, gravador, rádio. Canais sempre ligados. Ninguém parou mais de cantar e ouvir música.

Os discos chegavam, a casa cantava junto. Alguns mais efusivos, outros mais quietos, as canções tingiam alguns cantos cinzas da vida de família. Eu lá absorvendo tudo, nos sete, oito anos de vida.

Nunca vou esquecer-me de um ano e de um disco, 1974, o compacto duplo “Cristina” da RCA. Sim, Cristina Buarque de Holanda, a “minha irmã sambista de verdade”, nas palavras do irmão Chico. O compacto foi extraído do seu primeiro álbum.

Capa do disco de Cristina Buarque de Holanda. Imagem: internet

O pequeno disco chegou em casa nas mãos do Davi, meu irmão. Ele sim o sambista da minha casa, que me mostrou Partido em 5, Roberto Ribeiro, João Nogueira, Originais do Samba, os compositores de enredo, que me ensinou a amar o samba, ser antirracista e me fez entender que grande parte da beleza da música se deve aos negros, seus ritmos, versos e tramas melódicas e harmônicas.

Naquele 1974 tocava nas rádios o sucesso de “Quantas Lágrimas” do portelense Manacéa, que foi talvez o único sucesso da carreira da Cristina. Um lindo samba triste que gira até hoje nas rodas de samba mais temperadas. No complemento do compacto duplo tinha ainda “Comprimido”, do Paulinho da Viola, e “Confesso”, do Chico, irmão. A vitrola Grunding do centro de nossa sala tocou demais essas canções.

Mas o samba que grudou em mim até hoje era a primeira faixa do disco, composição da Ivone Lara e do Mano Décio da Viola (do Império Serrano), um samba lamento, triste, mas com saída otimista, daqueles que faz chorar, daqueles que invocam sentimentos poderosos que afastam o mal.

Nessa terça a noite ele veio forte, veio com lágrimas de redenção. Agradeço muito por ter essa história comigo.

“Agradeço a Deus”

A você eu jurei, não amar mais ninguém

porque meu coração já cansou de sofrer

e é triste é cruel a dor de uma paixão

cansei de ser escravado da desilução

Já não tenho prantos para derramar,

da vida ruim que levei não quero lembrar

Hoje sou feliz me reencontrei, vivo com

alegria pois da nostalgia já me separei

 

Hoje sou feliz me reencontrei, vivo com

alegria pois da nostalgia já me separei

 

Sinto que cheguei a realidade quando expulsei a

saudade

que no meu peito eu retinha em vão

e depois como prova de coragem

eu impus a minha vontade,

quanto desprezo no meu coração

 

E agora estou vivendo sozinho

sem ter amor e carinho

e longe de qualquer paixão,

 

E agradeço a Deus

já posso sorrir

comigo não há mais tristeza

só tenho alegria no meu coração.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Como a competência informacional se tornou uma necessidade cotidiana

Próximo post

Condução coercitiva de dirigentes da UFMG foi espetáculos midiático, diz ABECIN