3
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Entre os dias 7 e 28 de novembro, o Festival Brasil Que Lê celebra a arte, a leitura e a literatura como um direito humano.  A programação é composta por oito lives com debates, poesias, artes e músicas evidenciando esse Brasil indígena, negro, periférico, LBGTQIA+, da ciranda, do jongo, do carimbó, das bibliotecas comunitárias, dos movimentos sociais e culturais periféricos.


Entre os convidados do Festival estão Bel Santos educadora social e coordenadora do Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário (Ibeac), Lia de Itamaracá mestra da cultura popular, rainha da ciranda e reconhecida como Patrimônio Vivo de Pernambuco, o escritor Daniel Munduruku e o cantor Chico César.

Participam também representando às bibliotecas comunitárias: Maria Chocolate do Rio de Janeiro, Victoria Dias e Lilian da Conceição da Bahia, Fábio Rogério de Pernambuco, Natália Reis e Leydmilla Alves da Baixada Fluminense do Rio de Janeiro, Suilan de Sá e Cris Lima de São Paulo, Eduardo Peixoto de Porto Alegre e Alana Lima de Belém.

A abertura do evento foi no último sábado (7), às 19h, com uma benção de mestres e mestras, além de um bate-papo entre gerações de leitores e o encerramento com um show sobre a ciranda, uma manifestação tradicional dos territórios brasileiros.

O festival tem transmissão online e gratuita, sempre às 19h, no Facebook e canal do Youtube da Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias (RNBC), que promove o evento.  A Rede Nacional atua pela democratização do acesso ao livro, à leitura, à diversidade e às bibliotecas  com atuação em diversas cidades do território brasileiro. São 119 bibliotecas da rede nas regiões Norte, Nordeste, Sul e Sudeste, que atendem um público médio de 30 mil famílias.


Datas:  7, 10, 12, 17, 19, 24, 26 e 28/11/2020.

Onde assistir? 

Facebook da RNBC 
Canal da RNBC no Youtube

Programação completa

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Os bibliotecários e a responsabilidade técnica pela gestão do PNLD - 1º Encontro

Próximo post

Darwin e as bibliotecas