1
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Nesta quarta-feira (15) estudantes, professores e técnicos deram um recado ao governo Bolsonaro: “não vai ter corte, vai ter luta!”. Os atos que levaram milhares de pessoas às ruas em todo o país são uma respostas aos cortes anunciados recentemente pelo governo federal nas universidades brasileiras, como a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Na instituição o bloqueio foi de 41% das verbas destinadas a manutenção e investimentos, um total de R$ 114 milhões que seriam usados para despesas de custeio como consumo de água, energia elétrica, contratos de prestação de serviços de limpeza e segurança, e investimentos em obras e compra de equipamentos para laboratórios e hospitais.

“Acho que a verdadeira intensão do governo é privatizar as universidades, acabar com a educação pública superior de qualidade, é aniquilar os serviços e colocar a iniciativa privada para tomar conta de tudo. E é por isso que estamos aqui. Nós somos crias da universidades pública, foi lá que nos aprendemos a nossa profissão. Através da nossa profissão nós temos dignidade hoje”, disse a bibliotecária da UFRJ Gilda Alvarenga.

Mais cedo o presidente Jair Bolsonaro disse que os manifestantes são “idiotas úteis e massa de manobra”. As declarações provocaram indignação, inflamando ainda mais o ânimo das massas que ocuparam as ruas. “A posição dos estudantes cumpre um papel importante na vida democrática em nosso país. Ouvi-los, saber da sua mobilização sempre foi um sinal importante para que nosso país evitasse retrocesso”, disse o vice-presidente da Andifes, João Carlos Salles.

Convocado para dar explicações sobre os cortes, o ministro da Educação Abraham Weintraub disse na Câmara dos Deputados que o Brasil “gasta demais com o ensino”. O ministro destacou, mais uma vez, que o governo teria como prioridade os ensinos básico, fundamental e técnico, falseando mais uma vez os fatos que mostram que os cortes do governo também atingiram o ensino básico.

Abaixo as imagens do ato no Rio, um dos maiores do país:

Estudantes da UFRJ participam de ato no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
“+ Paulo Freire, – Alexandre Frota”, pedem manifestantes no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Estudantes da UFRJ participam de ato no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Bibliotecárias da UFRJ na luta. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Estudantes da UFRJ participam de ato no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Estudantes da UFRJ participam de ato no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Milhares de manifestantes participam de ato no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
“Quremos mais negrxs nas universidades”, pedem estudantes. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Estudantes da UFRJ participam de ato no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Estudantes da UFRJ participam de ato no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Técnicos administrativos da UFRJ também participam de ato no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Estudantes protestam contra cortes na educação em ato no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Centro do Rio ficou tomado pelos milhares de manifestantes. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
“Minha balbúrdia é fazer de um analfabeto um leitor”. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Servidores da UFF participam de ato no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
A reforma da Previdência também foi criticada pelos manifestantes. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Igreja da Candelária iluminada ao fundo no Centro do Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Ato no Centro do Rio foi um dos maiores do país. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
A fala de Bolsonaro que chamou estudantes de idiotas provocou muita revolta entre manifestantes. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Os atos estão sendo considerados um esquenta para a greve geral do dia 14 de junho. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
“Bolsonaro é inimigo da educação”. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Servidores do Colégio Pedro II também estiveram no ato do Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Manifestação irreverente contra o governo em ato no Rio. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
Manifestantes criticam a chantagem do governo. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo
“Educação é direito da população”. Foto: Chico de Paula / Agência Biblioo

 

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Aos bibliotecários é contraproducente apoiar o governo Bolsonaro

Próximo post

15 de maio: o dia em que a educação mandou um recado ao governo