4
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

A edição da Jornada da Biblioterapia que acontece na primeira semana de agosto vai trazer de volta um tema já abordado em edição anterior a fim de ajudar escolas e bibliotecas se prepararem para a campanha Setembro Amarelo, mobilização nacional para prevenção do suicídio, que já é a segunda causa de mortes entre adolescentes no Brasil.

“Foi um pedido feito por grande número de educadores de diferentes cidades e estados que não conseguiram participar da edição anterior”, explicou o presidente da Fundação Observatório do Livro e da Leitura, Galeno Amorim, curador da jornada. A 3ª Jornada da Biblioterapia tem o apoio da Associação Brasileira de Municípios (ABM) e da Biblioo.

Segundo ele, o evento online terá algumas novidades em relação à última edição da Jornada da Biblioterapia, mas as videoaulas, como aquelas com as falas das psicoterapeutas paulistas Karina Okajima e Karen Scavacini, autoras de obras sobre o assunto e bastante requisitadas para proferir palestras em escolas – serão reapresentadas, inclusive com alguns trechos que não foram ao ar da outra vez.

“As pessoas estão pedindo para ver ou rever até mesmo para poderem pensar e organizar ações preventivas para o Setembro Amarelo em seus locais de trabalho, em que que atuam com jovens e adolescentes”, afirmou Galeno.

A campanha do Setembro Amarelo foi criada para mobilizar as pessoas para uma questão que, por muito tempo, ficou escondida e, só recentemente, a Organização Mundial da Saúde bateu o pé e decidiu que precisava jogar mais luz sobre ela.

As inscrições para quem quiser se inscrever na Jornada da Biblioterapia, que começa na segunda-feira, 05/08, e vai até 10 de agosto, são gratuitas e podem ser feitas pelo link: www.biblioterapia.org.br

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Sistematização em rede: memórias, experiências e a construção coletiva do conhecimento

Próximo post

A obscura história sobre os assédios sexuais de Melvil Dewey, o pai da biblioteconomia moderna