0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O mestrado profissional (MP) no Brasil se constitui como uma modalidade de pós-graduação stricto sensu com o objetivo de contribuir para o setor produtivo nacional, visando aprimorar o nível de competitividade e produtividade para empresas e organizações de cunho público e/ou privado, assim como conceber perspectivas de qualificação profissional/intelectual.

Embora a menção ao MP seja muito mais referenciada a partir da primeira década do século XX, é pertinente ressaltar que desde o início da década de 1990, já se estabeleceram discussões para institucionalização do MP que foi formalizado através da Portaria n. 47, de 17 de outubro de 1995, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Superando os imediatismos, o MP foi se estruturando gradualmente através de regulações, atividades e interesses dos professores/pesquisadores de diversas áreas do conhecimento em construir um Programa desse porte. Por isso, é apenas no início deste século que o MP vai ganhando maior envergadura institucional no sentido de que a autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento dos cursos passa a ter o acompanhamento e avaliação da CAPES de acordo com as exigências previstas na legislação – Resolução CNE/CES nº 1/2001, alterada pela Resolução CNE/CES nº 24/2002.

A autorização e reconhecimento do MP foi se estabelecendo nos diversos campos do conhecimento como nas Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Humanas, Ciências da Saúde, Tecnologias e Exatas de instituições públicas federais, estaduais, municipais, comunitárias e privadas.

Esse fortalecimento institucional contribuiu bastante para o crescimento do MP no Brasil. Segundo dados da Capes sobre o MP, em 1999, havia apenas quatro cursos, já em 2003 o País oferecia 62 opções de cursos. Em 2007, o número chegou a 184, e em 2011 foram criados 338 novos cursos denotando um exponencial crescimento do MP no século XXI, sendo a maioria existente no Sudeste, seguido pela região Sul.

Embora os MPs estejam propagados nas mais diversas áreas do conhecimento, há a predominância nas seguintes áreas: interdisciplinar, ensino, administração/contábeis/turismo e educação, permitindo afirmar que este tipo de mestrado vem primando pela transversalidade entre as áreas do conhecimento, assim como preconizando a valorização de áreas diversas do ensino e da área de educação.

Diante desta identificação inicial, vale a pergunta: no campo da Ciência da Informação, como está a realidade do MP considerando disciplinas/setores como Biblioteconomia, Arquivologia e Gestão da Informação? Em primeira instância, essa realidade não é muito singular e tem gerado um conjunto de polêmicas e discussões, visto que cada cursos/programa/grupos têm formado os MPs, conforme as dinâmicas político-científicas locais, regionais ou nacionais.

O quadro que segue faz uma breve descrição sobre os MPs no campo da Ciência da Informação:

Quadro 1 – Mestrados Profissionais no Campo da Ciência da Informação no Brasil

Nome do Programa Área de concentração e linhas de pesquisa Ano de autorização Conceito

Capes

Região

Estado

Instituição

Site
1.    Programa de Pós-Graduação em Gestão da Informação Área: Gestão e Organização do Conhecimento

Linha 1: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento

Linha 2: Compartilhamento da Informação e do Conhecimento

2008

Desde 2011 mudou para Mestrado Acadêmico em Ciência da Informação

 

 

 

 

3

Sul

Paraná

Universidade Estadual de Londrina – UEL

 

 

http://www.uel.br/pos/mestradoinformacao/

2. Programa de Pós-Graduação em Biblioteconomia (PPGB) Área: Biblioteconomia e Sociedade

Linha 1: Biblioteconomia, Cultura e Sociedade

Linha 2: Organização e Representação do Conhecimento

 

 

2011

 

 

3

Sudeste

Rio de Janeiro

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO

 

 

 

http://www.unirio.br/ppgb

3. Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos (PPGArq) Área: Gestão de Arquivos na Arquivologia Contemporânea

Linha 1: Arquivos, Arquivologia e Sociedade

Linha 2: Gestão da Informação Arquivística

 

 

2012

 

 

3

Sudeste

Rio de Janeiro

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO

 

 

 

http://www.unirio.br/ppgarq

4. Programa de Pós-Graduação em Gestão da Informação (PPGInfo) Área: Gestão da Informação

Linha 1: Gestão de Unidades de Informação

Linha 2: Informação, Memória e Sociedade

 

 

2012

 

 

3

Sul

Santa Catarina

Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC

 

 

http://www.faed.udesc.br/?id=660

5. Programa de Pós-Graduação em Gestão da Informação e do Conhecimento (PPGIC) Área: Informação na Sociedade Contemporânea

 

Linha: Gestão da Informação e do Conhecimento nas Organizações.

 

 

2015

 

 

3

Nordeste

Rio Grande do Norte

Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN

 

 

https://sigaa.ufrn.br/sigaa/public/programa/portal.jsf?id=9196

6. Programa de Pós-Graduação em Biblioteconomia (PPGB) Área: Biblioteconomia na sociedade contemporânea

Linha 1: Informação, cultura e memória

Linha 2: Produção, Comunicação e Uso da Informação

 

 

2015

 

 

3

Nordeste

Ceará

Universidade Federal do Cariri – UFCA

 

 

http://ppgb.ufca.edu.br/

7. Programa de Pós-Graduação em Memória e Acervos Área: Acervos Públicos e Privados: Gerenciamento, Preservação, Acesso e Usos

Linha 1: Patrimônio documental: representação, gerenciamento e preservação de espaços de memória

Linha 2: Práticas críticas em acervos: difusão, acesso, uso e apropriação do patrimônio documental material e imaterial

 

 

 

2015

 

 

 

3

Sudeste

Rio de Janeiro

Fundação Casa de Rui Barbosa

 

 

 

 

http://casaruibarbosa.gov.br/mestrado/

8. Mestrado Profissional em Gestão da Informação Área: Organização, Mediação e Circulação da Informação

Linha 1: Mediação Cultural

Linha 2: Organização do Conhecimento

Linha 3: Gestão de Unidades de Informação

 

 

2016

 

 

4

Sudeste

São Paulo

Universidade de São Paulo – USP

 

 

http://www3.eca.usp.br/pos/ppgci

Fonte: elaborado pelo autor

Diante do quadro exposto é possível estabelecer as seguintes inferências:

  1. Os MPs no campo da Ciência da Informação são muito recentes, mais precisamente, datados da década de 10 do século XXI possibilitando afirmar que a Ciência da Informação não participou de maneira efetiva das origens do MP no Brasil;
  2. Vale destacar que o campo da Ciência da Informação, em especial, na correlação com a Biblioteconomia se estabeleceu entre as décadas de 1970 e a primeira década do século XXI, visto que até meados da década de 1990, havia o mestrado acadêmico em Ciência da Informação (IBICT/UFRJ) e os mestrados acadêmicos em Biblioteconomia (USP, UnB, UFMG UNICAMP e UFPB) considerando que em 1991 UnB e UFMG modificam a estrutura da Pós-Graduação de Biblioteconomia para Ciência da Informação. A partir de então, todas as Pós-Graduações da área surgiram com o nome de Ciência da Informação como a UNESP e a UFBA (1998) e a UFSC (2003);
  3. É pertinente reputar a UNIRIO, tradicional instituição do campo biblioteconômico-informacional, e seus conjuntos de pesquisadores/colaboradores diretos e indiretos, a criação do MP em Biblioteconomia e Arquivologia promovendo uma guinada na qualificação de profissionais fomentando a produtividade/competitividade, via pesquisa, no campo da prática de mercado;
  4. Embora a “Gestão da Informação” não seja uma disciplina da Ciência da Informação como são a Biblioteconomia e a Arquivologia, mas um setor de pesquisa, é inegável o crescimento deste setor com a criação de cursos de graduação como UFPR e UFPE e, em particular, na pós-graduação strcito sensu (modalidade de mestrado profissional) com a criação dos cursos da UDESC, UFRN e USP, além da criação do Programa de Pós-Graduação em Gestão e Organização do Conhecimento (PPGGOC) na modalidade acadêmica;
  5. Como os Programas de MP no campo da Ciência da Informação ainda são muito recentes, fica evidenciada a base dos conceitos Capes entre 3 e 4, visto que a maioria iniciou com o conceito 3 e sequer passou pela primeira avaliação que hoje ocorre quadrienalmente (de quatro em quatro anos). Apenas o Programa da USP foi autorizado com o conceito 4, mostrando um amadurecimento mais efetivo em termos de projeção, produção e corpo de pesquisadores.

De maneira geral, o MP é muito similar a modalidade acadêmica. Entretanto, o MP passa por algumas dificuldades de cunho institucional e até de valorização diante da comunidade acadêmica, visto que não recebe recursos diretos do governo para se desenvolver, assim como não disponibiliza bolsas para os alunos. Por outro lado, o MP possibilita a construção de parcerias com instituições públicas e privadas, visando captar recursos financeiros, infraestrutura e de pessoal para o desenvolvimento dos Programas.

O exemplo do Programa de Pós-Graduação em Gestão da Informação da UEL é o exemplo mais categórico, uma vez que foi o primeiro MP no campo da Ciência da Informação, mas que, em virtude de fatores como a carência de investimentos governamentais e captação de recursos, optou pela transformação para Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação.

Ocorre que, em virtude dos MPs no campo da Ciência da Informação ainda serem recentes, é preciso estruturar possibilidades de parcerias através, por exemplo, de cooperação técnico-científica, qualificação de profissionais e criação de produtos/serviços para instituições públicas e/ou privadas.

Portanto, há múltiplas possibilidades de crescimento dos MPs no campo da Ciência da Informação, sendo esta década o marco para o desenvolvimento deste tipo de Programa, principalmente no que se refere a Biblioteconomia, Arquivologia e Gestão da Informação, mas é fundamental um grande esforço dos Programas e sensibilidade de órgãos públicos e privados no sentido de estabelecer profícuas parcerias com a perspectivas de conquistas mútuas.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!
Post anterior

A minha consciência não tem cor

Próximo post

“Desculpa, eu não te vi!”

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − seis =