3
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Foi publicado na manhã desta terça-feira (25) a nomeação de Renata Silveira da Costa para exercer a função de secretária-executiva do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL). A pasta estava sem comando desde a saída de José Castilho Marques Neto, em maio de 2016, quando este pediu demissão em protesto ao afastamento do cargo da então presidente Dilma Rousseff.

André Lazaroni, Secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro), Renata Costa (coordenadora do Sistema Estadual de Bibliotecas do Rio de Janeiro e Secretária-Executiva do Plano Nacional do Livro e Leitura) e Juca Ribeiro (Superintendente de Leitura e Conhecimento) durante mobilização do PELLLB-RJ em Duque de Caxias (RJ). Foto: SEC-RJ.

O Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), instituído por meio da portaria interministerial nº 1.442 de 2006, tem por finalidade básica assegurar a democratização do acesso ao livro, o fomento e a valorização da leitura e o fortalecimento da cadeia produtiva do livro como fator relevante para o incremento da produção intelectual e o desenvolvimento da economia nacional.

Renata Costa coordena atualmente o Sistema Estadual de Bibliotecas do Rio de Janeiro (SEB-RJ), que é ligado à Superintendência de Leitura e Conhecimento da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, função que ela irá continuar ocupando mesmo à frente do PNLL. O SEB-RJ faz frente às ações do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro (PELLLB-RJ), cujo trabalho de construção está a cargo de um grupo de trabalho.

Um dos maiores desafios de Renata no PNLL, que se desenvolve a partir de um regime de mútua cooperação entre a União, os estados, o Distrito Federal e os municípios, é sem dúvida as limitações financeiras. Além disso, a nova secretária deve acompanhar de perto a tramitação na Câmara dos Deputados da Política Nacional de Leitura e Escrita.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Decreto do prefeito de São Paulo pode limitar a participação da sociedade civil no PMLLLB

Próximo post

O futuro das bibliotecas públicas

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *