0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Quero ver o mar e as ondas que batem nas pedras do meu coração quando penso EM VOCÊ. Quero flutuar no céu da sua boca, alcançar a lua no seu beijo, as estrelas nos teus olhos. Quero o infinito no teu corpo de acácias em flor e quero me apaixonar a cada instante por você, me encantar com teu riso, te desejar interminavelmente. Porque na mina mente, só existe você. Pois com você, posso tudo, e com você sou o momento que se sucede nas horas, sou a estação que passa e a paisagem vista de dentro do avião. A paisagem que ficou pra trás quando o tempo passou. Pois com você, sou o que você quiser, do jeito que você me quiser, sou seu. Seu cavalheiro da legião do amor, poeta e cantor. Assim, admirar as flores que existe em você. Flores essas que me fazem feliz. Por que és primaveras…

Serei então como a chuva que passa, como a brisa que corre, e o prazer de ouvir a música que toca no rádio. Como a folha que cai no outono, como o gelo que surge no inverno e que depois dá lugar a uma linda primavera que chega sem pedir licença.

Serei como a noite que chega e  se vai, como a onda que trouxe à praia conchas vazias, como a fantasia de carnaval. Serei eu apenas mais um…

Mais um na estação do amor a espera de um trem que surge como um discurso irreparável. Um trem que não passa mais por aqui…

Serei o happy-hour de sexta-feira, a saideira do bar quando as luzes já se apagam na Guanabara. Serei o medo de amar, o amor nos tempos de cólera e a paixão mal resolvida.

Serei anjo, serei visão, serei a poesia do mal do amor…

Serei o que você quiser, se você  me quiser, quando quiser  e não mais que isso. Não mais…

Por que serei o silêncio, a beleza de uma gaivota solitária no vasto céu a procura não sei de quê. Que parece perdida. Como o pássaro que migra. Ou o que mais eu puder ser na sua imaginação, no seu pensamento, nesse olhar lindo que me devora e me cativa. Que depois me abandona e se vai…

Não mais que isso. Sei… Não mais. E quanto mais te adoro, mais te desejo…

Te amo tanto que queria que soubesses. E, serei o orvalho, a lágrima, a estrela cadente. A estrela do mar. Serei o horizonte e o pôr de sol para mais um dia que se foi…

Mas quando amanhecer, saiba que eu te adoro. Que te adoro em tudo.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

A Biblioteconomia e a política lado a lado

Próximo post

Ranganathan e a ritualização da leitura

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *