3
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

“Aí estão nas altas estantes,

A um tempo próximo e distantes,

Secretos e visíveis como os astros,

Aí estão os jardins, os templos”.

(Jorge Luis Borges).

Algo fácil de ser encontrado nos dias atuais, o livro nem sempre foi objeto de procura dos mais acessíveis para a humanidade. Desde a invenção da prensa móvel (imprensa) no século XV, a produção dos livros cresceu de maneira vertiginosa, mas antes desse feito histórico que mudou paradigmas, a produção de um livro exigia tempo, paciência, disciplina, dom artístico e uma boa quantia em dinheiro.

Sabemos que o livro sempre foi objeto de desejo em boa parte das nações do planeta. Quem nunca viu e/ou ouviu uma entrevista em que o cenário de fundo é composto de livros organizados em estantes bem acabadas, misturados a outros elementos artísticos? Os livros remetem ao conhecimento, a informação, e, desde os tempos imemoriais, ter conhecimento era algo fundamental para se manter em posição de privilégio; reinos buscavam obter o maior número de informações acerca de seus inimigos, a fim de surpreendê-los e subjugá-los.

Antes da grande invenção do alemão Johannes Gutenberg pelos idos de 1430, a produção de livros era feita de modo manual, por monges isolados em conventos e/ou monastérios, longe de qualquer atmosfera que viesse atrapalhar essa função. Os monges copistas passavam semanas, meses, a até anos para concluir a cópia de um exemplar. O suporte que usavam geralmente eram pergaminhos, material que valia uma considerável continha em dinheiro, e que precisava de extrema atenção para não haver erros.

A história nos conta que quando o monge errava uma palavra, usava-se de alguns recursos para minimizar o feito, tais como cópia literal da mesma em outra parte da página. Tal erro era atribuído ao demônio Titivillus, que segundo a lenda, ficava ao lado dos monges soprando-lhes no ouvido para que aquele errasse, pois a missão do demônio era encher a sua bolsa com cerca de mil erros e levá-los ao inferno, a fim de acusar o monge que os cometeu no dia do juízo final. Foi neste contexto que surgiu o recurso da errata.

Foi através da invenção da prensa móvel por Gutenberg, que a produção de livros deu um salto significativo, todavia, além de ainda ter um custo considerável em que poucos podiam pagar, o índice de analfabetismo na Europa era imenso. Quase a totalidade da população não sabia ler e escrever. Usando de sua autoridade como instituição e do capital cultural de seus clérigos (alfabetizados), a Igreja Católica Romana influenciou sobremaneira na circulação de livros. Mediante a censura prévia, a Igreja permitia ou não a circulação de livros. Sabemos que muitos livros foram queimados em fogueiras juntamente com seus donos, e outros tantos estão guardados na Biblioteca Vaticana, dando um valor inestimável a esta coleção.

À medida que o tempo foi passando, a produção de livros foi aumentando. Com a universalização da Educação, cada vez menos analfabetos se faz perceber. A leitura ganhou espaço; o mundo mudou; o livro é objeto do mais alto desejo, e empresta a pessoa que o possuí, ares de cultura (mesmo que os livros sirvam apenas para decoração em suas casas). É aqui que começamos a falar do livro antigo e/ou raro.

Como objetos que atravessaram anos, trazendo conhecimentos de tempos remotos, se livrando muitas vezes de sinistros e intempéries, os livros antigos precisam de uma atenção pra lá de especial. Hoje ainda podem-se ver certos títulos com mais de 500 anos de idade, e que estão em perfeito estado de conservação. Esse estado de conservação credita-se aos cuidados de mulheres e homens que se dedicaram na preservação e conservação das obras; por uma questão laboral, mas, principalmente, pelo amor ao livro e a sua missão de passar conhecimento.

Manter um acervo de livros antigos ou mesmo de livros raros, precisa de ingredientes que, aliados ao amor e o cuidado, darão sobrevida as obras. É preciso, antes de mais nada, adequar o local que vai receber a coleção rara e/ou antiga. A temperatura deve variar entre 16 a 25º (aproximadamente), a iluminação precisa ser bem dividida no espaço, e nunca incidir diretamente sobre as obras, além de está fixada no teto a uma altura considerável; telhados, calhas, ralos e bueiros devem ser avaliados periodicamente, além de toda a instalação elétricas; a depender da localização do local que abrigará a coleção, precisará de telas especiais nas janelas, para impedir a entrada de partículas de poeira e de poluição, dentre outros cuidados.

Há de se ter atenção quanto ao manuseio da obra. O livro é segurado pela lombada, apoiado na palma da mão aberta. A depender do tempo de existência do material, é recomendado calçar luvas, usar máscaras e óculos especiais. Em hipótese alguma deve-se manusear as obras com material aquoso próximo (na verdade, não entra nada aquoso na área de guarda do acervo).

A segurança do local, é outro item importantíssimo para a salvaguarda de livros raros e/ou antigos. A equipe precisa estar em sintonia e bem atenta, pois há um mercado oculto que consome objetos de artes (no geral), pagando altos valores, e fomentando os furtos a tudo que possa ser avaliado em alta monta. Livros raros não estão fora desse mercado, devido o seu grau de raridade e valor monetário. Manter o livro raro em bom estado de conservação é fundamental para qualquer biblioteca e/ou centro cultural; mantê-lo íntegro à coleção, é garantir que esta e a próxima geração tenham contato com o suporte e o conhecimento que ele traz!

A lista de cuidados para se manter um livro raro e/ou antigo em condições de serem consultados e contribuírem com a ciência, cultura e informação via mais além, e não será na seção de opinião deste veículo que poderemos exaurir a questão, porém, é preciso ter conhecimento que a forma com que tratamos os livros, vai implicar diretamente na sua permanência ou extinção. Os livros são nossos amigos, possuem vida, falam! É preciso ter cuidado, carinho e ouvidos atentos para ouvi-los.

Os livros são para a circulação; há leitores para cada livro; não é par ficar enfileirados em estantes que eles foram criados, mas sim para circularem entre mãos, sacolas, bolsas, mesas, escrivaninhas, etc. Um livro preso em uma biblioteca é sinal de condenação, mas um livro maltratado fora dela, causa morte informacional a uma sociedade inteira. Usemos sem medo de sermos felizes os livros, mas tenhamos o máximo de cuidado com eles, pois depois de nós virão outros, assim como antes tiveram tantos mais, que nos deixaram obras maravilhosas que nos causam admiração hoje.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Crônicas de uma andarilha pós–Idade Média - parte 1

Próximo post

Política Nacional de Leitura e Escrita deve ser votada hoje (02) na Câmara