0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Caros alunos, não faz parte da minha trajetória o discurso político panfletário, apenas ações pontuais.

Gostaria de compartilhar brevemente com vocês meu espanto diante do que está acontecendo no país neste período eleitoral. Para aqueles que acharem importante ler, deixo meu agradecimento. Para aqueles que não desejarem ler esta mensagem, por favor, evitem também ler o que Globo, Folha de São Paulo e Estadão publicaram nos últimos dias e publicarão nos próximos dias: trata-se de um acúmulo absurdo de discursos sem fundamento, de caráter eleitoreiro e de tentativa de comprar retoricamente o voto de todos.

Sou mineiro, nasci em Divinópolis, cidade vizinha a Cláudio, onde a família de Aécio Neves possui sua fazenda e onde, com dinheiro público, construiu aeroportos e outras infra-estruturas para seu uso particular. Passei a adolescência indo a São João Del Rey, de onde veio a família Neves e onde ela sempre mandou. Morei 8 anos em Belo Horizonte, cidade de domínio absoluto da família Neves. Há trinta anos a família Neves comanda Minas Gerais e há trinta anos não temos transformações pontuais no estado. Principalmente: não temos avanço social.

Segundo Aécio Neves, trata-se do Estado que mais enriqueceu nas últimas décadas. Minas, na visão dele, hoje é competitiva e lucra como região alguma do país. Uma questão básica para reflexão de vocês: já ouviram falar em USP e UERJ, certo? Sim, estas são duas das maiores universidades públicas estaduais do Brasil. Vocês já ouviram falar em UEMG? Pois é, esta é a nossa “universidade” estadual. Ela, no fundo, “não existe”. Aécio cuidou de privatiza-la. E onde está o dinheiro do estado do Brasil que mais enriquece? Ninguém nunca viu.

Se ficarmos apenas no campo da educação superior, a eleição de Aécio Neves é uma tragédia para nossas ações – como professores e alunos. Mas é esta política também que Aécio conduzirá para saúde, para o transporte público, para a economia, pois ele fez isto nos últimos 16 anos em que mandou direta e indiretamente nos mineiros.

Do outro lado, estamos vendo, exatamente no período eleitoral, uma campanha para tornar o PT o partido mais corrupto da história. Repito, há trinta anos a família Neves governa Minas Gerais e lá não existe prisão de político, nem denúncia. Tudo é arquivado. Não existe oposição, não existe nenhuma possibilidade de saber a verdade de qualquer fato sujo do governo.

Iniciei minha faculdade em Biblioteconomia no governo do PSDB. Apenas a título de comparação: não possuíamos verba para absolutamente nada; vivíamos uma situação muito, mas muito pior que a atual. Com todos os problemas do governo Lula e Dilma, nunca a universidade pública foi tão assistida. E a visão sobre nosso campo era: bibliotecários e bibliotecas serão extintos junto com os órgãos públicos. Só teremos agora profissionais de um mundo da informação em rede, competitiva, lucrativa, que não se preocupa com as condições sociais do mundo.

Aécio é apoiado por um conjunto enorme de políticos advindos da Ditadura que foram expulsos do governo federal por Lula e por Dilma e agora usam todo elemento possível para acusar o PT de corrupto e sujo, e, com isto, voltarem ao poder.

Estamos vivendo uma inversão completa de valores nesta eleição, como se Aécio Neves e sua família, em algum momento das últimas décadas, tivesse feito alguma coisa que realmente transformou o povo por eles governados.

Voltar atrás será o pior dos cenários possíveis para nossa redução da desigualdade social. Avançamos como nunca, em 12 anos, no debate sobre o racismo, sobre o machismo, sobre a fome, sobre a pobreza, e agora retornaremos ao quadro de estagnação crítica do PSDB.

Sou eleitor convicto de Dilma Roussef e estou tentando trazer um, dois, três votos, para não permitir que um homem corrupto sem projeto social governe o país e cesse a transformação social em construção. Não é possível comparar a corrupção do PT com a do PSDB: ambas são siglas repletas de indivíduos com má intenção e descompromisso democrático. Ambos os partidos têm corruptos como seus nomes centrais e possuem acordos abjetos com outros partidos duvidosos. A diferença é que o PSDB tem três décadas de corrupção no nível federal, controla a mídia e não fez nem faz um governo para o povo; o PT é recente e não tem força em canais como Globo para controlar os ataques, e, por sua vez, fez e faz um governo profundamente mais “social” que seu concorrente.

Não podemos abandonar a eleição em prol da Ditadura. Verifiquem qual é o verdadeiro projeto social de cada eleitor. E não anulem seus votos.

E aos que pensarem a favor da transformação social que mudou este país (nunca se viu tantas mulheres, tantos negros, tantas diferentes opções sexuais compartilhadas, tantos pobres nas universidades como no governo Lula-Dilma), tentem pelo menos um voto entre amigos e familiares.

Aécio é o pior retrocesso que alguém como eu, aluno e professor de universidade pública, que conhece seu projeto familiar de poder e suas ações antissociais, podia imaginar e sonhar em pesadelos para nosso país.

Eu me preocupo com vocês e acredito piamente que tanto eu quanto cada um de vocês somos semente e fruto da transformação petista, e não de uma repetição de famílias no poder, donas de terras e de empresas de comunicação.

Nosso grupo de pesquisa tem por nome a expressão latina “ecce liber”. Isto pode ter como significado básico a ideia de “eis o livro”. O “livro”, por sua vez, deve significar, eis aqui a possibilidade de ler, conhecer, criticar e discutir as formas de desconstrução da verdade. Em outras palavras, “ecce liber” é a possibilidade de pensar o que é a liberdade e como podemos edifica-la.

Não confiem nos memes nem nos canais televisivos. Consultem a história e o presente, e avaliem com liberdade.

Abraços!

Gustavo Saldanha é professor adjunto da Escola de Biblioteconomia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Museu da Diversidade Sexual

Próximo post

"Livro digital e bibliotecas"

3 Comentários

  1. 17 de outubro de 2014 a 23:39 — Responder

    BRAVO O PROFESSOR! Brava a revista que entende que a mídia é mais honesta quando se posiciona. basta de imprensa que usa uma máscara de neutralidade quando manipula o tempo todo os fatos, os discursos e as atitudes.

  2. Laura Klemz
    21 de outubro de 2014 a 19:49 — Responder

    Luxo, Gustavo!

  3. Mariana
    23 de outubro de 2014 a 10:12 — Responder

    Show! Não há duvidas da melhor opção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *