5
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

É preciso dinamizar o acesso, aproximar o leitor, promover eventos, trazer os livreiros, distribuidores, editores e fazer com que as pessoas conheçam essa coisa espetacular que é a biblioteca pública. A avaliação é de Anna Rennhack, editora e integrante da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), para quem as bibliotecas comunitárias também devem ser lembradas e valorizadas.

No Dia Nacional do Livro Infantil, a TV Biblioo foi até a Biblioteca-Parque do Estado, no Centro do Rio, para conversar ela que também é mestre em Educação e membro do Grupo de Trabalho do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro (PELLLB/RJ), recém transformado em lei. Além de bibliotecas, o papo versou sobre livros infantis e leitura. Assista:

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

O lúdico e o fantástico: a importância do livro infantil e juvenil hoje

Próximo post

A Biblioteca Central do Gragoatá, da UFF, comemora 25 anos