0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

anamaria123Ana Maria de Souza, de 85 anos, moradora da comunidade da Maré, morreu no último dia 10 de fevereiro de 2016, por causas naturais. Destacou-se no mundo das artes como: pintora, desenhista, atriz, cantora e poetiza. Participou recentimente da Flupp 2014 -Feira Literária das Periferias, na qual teve sua pintura ilustrando a capa da ultima coletânia, lançada em abril de 2015. Também participou do Projeto Maré Latina, o qual a ajudou no lançamento de seus 3 livros, na divulgação, e coquetel de lançamento na UFRJ, CEFET, Museu da Maré, entre outros lugares, tudo isso gratuitamente. No próximo mês de março Ana desejava lançar seu terceiro livro “Faces de Ana 3”, agora a responsabilidade fica para os parentes dela, em seguir ou não com a publicação do seu livro.

Mineira de Carangola, veio para o Rio de Janeiro trabalhar como doméstica e ajudar uma tia, que estava com o marido doente. Por décadas, trabalhou e morou em casa de família. Já ali, a inspiração a levava a criar. “Às vezes eu estava limpando e tinha alguma ideia. Parava para anotar um poema, pois às vezes a ideia foge”, conta. Aposentada por invalidez, se mudou para a Maré e iniciou o curso de pintura com a professora Lina Mello, e de teatro com o professor Paulo Mag, já falecido. Leia alguns de seus poemas:

Um poema não possui data,

É um momento, um passado,

Presente ou futuro, poeira de ouro.

Porém nasce uma fonte infinita de amor.

Toma forma e formas de vida e vidas

Aparece e se despede como uma estrela viajante

Ficando nas palavras o calor.

Voando através do tempo…

Quero-te um bem especial

Tu és minha irmã

Minha amiga informal

Tu és uma joia, um talismã

Para mim não é segredo

Sabes bem que és uma criatura forte

Possue toda força que Deus te deu

A pessoa é… Tu sabes…

 



O Brasil está de luto

O Brasil está de luto

Minas Gerais estremecida

Suas colinas, suas montanhas choram

Os pássaros voam num silêncio profundo

O céu límpido ilumina mais a Pátria

Clareando os templos eternos

Com sua chegada gloriosa do filho pródigo

Depois de uma Batalha vencida.

Ah! Mocidade, aproveita a vida tão bela

Ah! Mocidade, preparai o presente e o futuro

Explanando seus ideais

Abrindo as portas escancarando os portais

A natureza é vista sempre uma aquarela.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Dupla armada rende funcionários e faz arrastão em biblioteca, em Goiás

Próximo post

No Rio, estudantes se mobilizam contra a precarização do ensino

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *