2
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Abril poderia ser um mês qualquer, porém a peculiaridade de algumas datas comemorativas o torna especial. Neste mês celebra-se no dia 2, Dia Internacional do Livro Infantil, no dia 9, Dia Nacional da Biblioteca, no dia 18, Dia Nacional do Livro Infantil, no dia 23, Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor e por fim, o dia 26, Dia da Propriedade Intelectual.  Motivos para comemorar não faltam!

O dia 2 de abril foi escolhido pelo Conselho Internacional sobre Literatura para Jovens (IBBY), em 1967, para homenagear o aniversário de nascimento do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, um dos mais importantes nomes da literatura infantil. O autor é considerado o primeiro a adaptar fábulas já existentes para o público infantil.

No Brasil, para celebrar o Dia Nacional do Livro Infantil, o Presidente Fernando Henrique Cardoso, em 8 de janeiro de 2002, sancionou a Lei nº 10.402 que oficializou o dia 18 de abril como uma data a ser comemorada anualmente em homenagem ao dia de nascimento do escritor Monteiro Lobato.

No dia 9 de abril de 1980, o então Presidente da República, João Figueiredo assinou o Decreto nº 84.631, que instituía a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, o Dia Nacional do Livro e o Dia do Bibliotecário. A data passou a ser reconhecida como o Dia Nacional da Biblioteca com o objetivo de incentivar a leitura e a valorização da cultura no Brasil.

A celebração do Dia Mundial do Livro surgiu na Catalunha, onde tradicionalmente, uma rosa é dada de presente àquele que compra um livro. No ano de 1995, em uma conferência sediada em Paris, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), determina o dia 23 de abril como o dia Mundial do Livro e do Direito de Autor, a fim de estimular o gosto pela leitura e promover o livro como um instrumento fundamental de disseminação da educação, da ciência, da cultura, da informação e da comunicação pelo mundo.

Audrey Azoulay, Diretora-geral da UNESCO, afirma que “nestes tempos turbulentos, os livros ajudam a unir a humanidade como uma única família, mantendo um passado em comum, uma história e uma herança, para construir um destino partilhado”.

Há outras duas curiosidades sobre esta data: a primeira é a simbologia ao dia das mortes de escritores importantes como Miguel de Cervantes, William Shakespeare e Garcilaso de La Vega e a segunda é que em todos os anos, uma comissão formada pela UNESCO, IFLA (Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias), IPA (União Internacional de Editores) e a EIBF (Federação Europeia e Internacional de Livreiros) escolhem uma cidade para ser a Capital Mundial do Livro. A cidade escolhida de 2019 foi Sharjah, nos Emirados Árabes Unidos.

Azoulay explica que “a iniciativa pretende alcançar as populações marginalizadas e envolver as populações migrantes para promover a inclusão social, criatividade e respeito”.

Encerrando as comemorações do mês, no dia 26, em todo o mundo é comemorado o Dia Mundial da Propriedade Intelectual. O dia visa fomentar o papel da propriedade intelectual na comunidade científica e viabilizar a importância da entidade para a criação, inovação e desenvolvimento sócio econômico. A data faz menção ao dia em que o Tratado Internacional que criou a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) entrou em vigor, em 26 de abril de 1970.

Muito mais que um mês, abril é um verdadeiro arcabouço para incentivar a leitura e mostrar a importância do ato de ler e como essa prática pode estimular a mente e a criatividade e contribuir para a formação do ser humano.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Como estão as bibliotecas públicas da capital do país?

Próximo post

Liga de Editoras promove “Esquenta” para a Primavera Literária