0
Compartilhamentos
Redefinição de Impressão Google+

Prática corriqueira ultimamente observada em alguns anúncios de oferta de oportunidades para a contratação de bibliotecários é a que diz respeito à exigência, por parte dos recrutadores, que os candidatos incluam a “pretensão salarial” no ato de candidatura. Como se sabe, embora nossa categoria só disponha de piso salarial definido em lei em alguns estados da federação – como é o caso do Rio de Janeiro e de São Paulo – existem recomendações salariais para quase todos os estados, sem contar que nossa profissão é há muito regulamentada (Lei nº 4.084, de 30 de junho de 1962).

No caso do Rio, em 2011, o Sindicato dos Bibliotecários do estado (SINDIB/RJ) reuniu-se com outros sindicatos na negociação que definiu o piso salarial de algumas categorias, sendo estabelecido o valor de R$ 1.630,99 (um mil seiscentos e trinta reais e noventa e nove centavos) para “bibliotecários de nível superior” (Lei nº 5.950 de 13.04.2011).

Em 2012 essa lei é revogada pela Lei nº 6.163, garantindo um aumento no piso salarial dos profissionais bibliotecários, passando o valor para R$ 1.861,44 (um mil, oitocentos e sessenta e um reais e quarenta e quatro centavos). O deputado estadual Marcelo Freixo foi quem fez a indicação junto à Assembléia Legislativa do Rio (ALERJ) da inclusão de nossa profissão nessa nova lei que, produzindo efeitos a partir de 1º de fevereiro de 2012, também estabeleceu nove pisos salariais para grupos de  categorias profissionais que ainda não tinham o valor definido em lei federal. O valor mínimo salarial para profissionais de nossa área foi, então, reajustado para o estado do Rio de Janeiro, valendo tal determinação inclusive para a iniciativa privada.

O futuro dos profissionais da informação sob risco

Não há dúvida de que no processo de seleção a uma vaga, o fato de as empresas solicitarem o quanto o candidato deseja receber como salário se trata de uma lógica de mercado. Mas, ao mesmo tempo, está claro que recrutadores utilizam esse recurso como filtragem dos candidatos, uma estratégia equivocada que prefere seguir o princípio do funcionário mais barato, que aceite uma remuneração menor, muitas vezes sem benefícios, oferecendo sua mão-de-obra pelo menor custo, em detrimento do profissional capacitado e eficiente, e inclusive desrespeitando o que está estabelecido em lei.  Para a nossa área, isso está deixando de ser exceção e já está virando regra.

Para tentarmos contornar esse problema, seria importante que nos uníssemos para refletir e repudiar esse tipo de prática, prejudicial para a nossa profissão que, como se sabe, é tão desvalorizada socialmente, e que não merece também ser tão desvalorizada economicamente. A pretensão salarial é um tipo de assunto que deve ser discutido no ato da entrevista e análise do currículo do candidato (agora deixado em segundo plano pelas empresas). É necessária a reflexão da categoria para lutar contra essa prática que, sem dúvidas, é prejudicial para futuro dos profissionais da informação, como também para o futuro do próprio mercado de trabalho.

Se a empresa abre um processo seletivo para contratar um profissional da informação, seja ele arquivista ou bibliotecário, que tenha a dignidade de oferecer salários compatíveis com o mercado de trabalho ou que pelo menos consulte os sindicatos, associações profissionais e/ou conselhos de classe locais para ter uma base salarial. Caso contrário, lamentavelmente, estarão fadadas ao desaparecimento, tendo em vista sua falta de modernização diante do mercado de trabalho globalizado.

O fato é que muitas empresas não procuram sequer saber se temos um piso salarial, e o pior é que muitos bibliotecários se sujeitam a isso, ora por desconhecimento dos seus direitos, ora por necessidade, ora por auto-desvalorização.

Cursos online de qualificação em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Acesse!

Comentários

Comentários

Postagem anterior

Charge edição 15

Próximo post

A influência do leitor no caminho de um ex-bibliotecário

5 Comentários

  1. Bruno
    17 de dezembro de 2012 a 22:20 — Responder

    ah legal, mto interessante… é uma situação complicada mesmo, para qualquer recrutamento…. eu não sei em termos percentuais quantas empresas utilizam-se deste método de forma equivocada, ou seja, de pegar o mais barato no mercado…. pois a idéia de colocar a pretensão salarial, segundo o q estudei em comportamento organizacional, seria de verificar onde o profissional entende que ele se enquadra no mercado, e ele posteriormente seria testado pra garantir a validade….. só q infelizmente não sabemos mesmo quais empresas ( q acredito q seja a maioria ) utilizam-se desta técnica de seleção pra contratar barato e denegrir um profissional , uma carreira. é lamentável mesmo… adorei seu texto… mto legal ! APOIADO !

  2. marlene. a. vidal
    17 de dezembro de 2012 a 23:44 — Responder

    orgulho da titia.muito interessante sua matéria..show.

  3. 17 de dezembro de 2012 a 23:54 — Responder

    Acho que os bibliotecarios deveriam ser mais valorizados, pois trabalho com muitos e eles ralam muito. É uma profissão digna como qualquer outra, mais não é valorizada como tal. Só que infelizmente as empresas sabem que os profissionais precisam trabalhar, para sustentar sua familia, aí é quando fazem esse tipo de coisa, para que os que estão deseperados aceitem qualquer valor e não é bem assim, OS BIBLIOTECARIOS, COMO OS AUXILIARES DE BIBLIOTECA TEM TER SER VALOR!!!!

  4. 6 de março de 2013 a 16:03 — Responder

    É humilhante o que estão fazendo, oferencendo salários de R$ 1.200,00 para Bibliotecário Senior. Se vc tem Pós e MBA piorou, nem te chamam, porque sabem que seu salário não é "compatível" com o que oferecem. Isso chama-se falta de respeito profissiona! Quando vamos conseguir mudar isso?

  5. Zeanieide
    30 de setembro de 2013 a 19:49 — Responder

    Infelizmente essa é nossa realidade Renata, a classe tem que se unir e não admitir essa covardia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *